27 de dez de 2015

Vamos Cometer loucuras?????


 Cometa bobagens. Não pense demais porque o pensamento já mudou assim que se pensou. O que acontece normalmente, encaixado, sem arestas, não é lembrado. Ninguém lembra do que foi normal. Lembramos do porre, do fora, do desaforo, dos enganos, das cenas patéticas em que nos declaramos em público. Cometa bobagens. Dispute uma corrida com o silêncio. Não há anjo a salvar os ouvidos, não há semideus a cerrar a boca para que o seu futuro do passado não seja ressentimento. Demita o guarda-chuva, desafie a timidez, converse mais do que o permitido, coma melancia e vá tomar banho de rio. Mexa as chaves no bolso para despertar uma porta. Cometa bobagens. Não compre manual para criar os filhos, para prender o gozo, para despistar os fantasmas. Não existe manual que ensine a cometer bobagens. Não seja sério; a seriedade é duvidosa; seja alegre; a alegria é interrogativa. Quem ri não devolve o ar que respira. Não atravesse o corpo na faixa de segurança. Grite para o vizinho que você não suporta mais não ser incomodado. Use roupas com alguma lembrança. Use a memória das roupas mais do que as próprias roupas. Desista da agenda, dos papéis amarelos, de qualquer informação que não seja um bilhete de trem. Procure falar o que não vem à cabeça. Cantarolar uma música ainda sem letra. Deixe varrerem seus pés, case sem namorar, namore sem casar. Seja imprudente porque, quando se anda em linha reta, não há histórias para contar. Leve uma árvore para passear. Chore nos filmes babacas, durma nos filmes sérios. Não espere as segundas intenções para chegar às primeiras. Não diga “eu sei, eu sei”, quando nem ouviu direito. Almoce sozinho para sentir saudades do que não foi servido em sua vida. Ligue sem motivo para o amigo, leia o livro sem procurar coerência, ame sem pedir contrato, esqueça de ser o que os outros esperam para ser os outros em você. Transforme o sapato em um barco, ponha-o na água com a sua foto dentro. Não arrume a casa na segunda-feira. Não sofra com o fim do domingo. Alterne a respiração com um beijo. Volte tarde. Dispense o casaco para se gripar. Solte palavrão para valorizar depois cada palavra de afeto. Complique o que é muito simples. Conte uma piada sem rir antes. Não chore para chantagear. Cometa bobagens. Ninguém lembra do que foi normal. Que as suas lembranças não sejam o que ficou por dizer. É preferível a coragem da mentira à covardia da verdade.
— Fabrício Carpinejar.

15 de set de 2015

Escarra nessa boca que te beija....




Adorei a piada do dia: 3D democrático, diverso e descentralizado.
Uma galera que mamou nas tetas da prefeitura o ano todo, que usou do tal democrático, diverso e descentralizado para inflar o seu ego e fingiu que os problemas eram mais além e agora quando o problema esbarra em seus interesses pessoais, vêm à tona agonizar. Faz um tempão que eu e mais uma meia duzia gritam pelo Sandoval Wanderley, pela Escola de Teatro Nereu de Souza e nós é que somos os problemáticos da cidade. Eu e mais alguns quando chamamos para gritar Pelos Teatros Alberto Maranhão, TCP, Adjuto Dias e Lauro Monte Filho: Somos tratados com desdém por essa mesma Rede Potiguar de Teatro.
Reconheço, porém, me oponho a tudo o que é de interesse deles. Acho que ele não são são a voz do Teatro Potiguar, agora, ele têm o poder de aglutinar mais. Boa Parte de seus integrantes fizeram parte do governo Micarla e só saíram de lá quando o mesmo estava falido e desgastado e pularam para as tetas de Carlos Eduardo, o mesmo encontra-se em ostracismo e equívocos, agora é a hora de abandonar mais uma vez esse barco furado. Não defendo, nem nunca defendi a gestão municipal. Mas cansei de questionar exatamente os membros da "Rede" que lá estão (ou estavam, não sei) compondo essa gestão e criando meios de auto promoção, como os interesses pessoais não têm mais espaço, hora de repudiar, tripudiar e cuspir no prato onde sempre comeram. Mas agora que o prato azedou, quem vomita sou eu!!!!


31 de jul de 2015

Reinvenções pós etílicas


Uma ideia super divertida e irreverente para mais um bom uso aos nossos bons e velhos discos de vinil. Os Saudosos LP's que voltaram com tudo!! E espero que não saiam mais do gosto popular!!!!













15 de jul de 2015

O Teatro do RN Agoniza

Olá pessoal, estamos mobilizando todos os fazedores de arte que compreende que os espaços dirigidos pelo poder público, sejam os nossos teatros e também as escolas de formação teatral encontram-se esquecidos e não são prioridade para os nossos governantes, tanto que esses espaços vêm fechando as suas portas através de interdições por falta de adequações básicas de segurança e assim permanecem e nós
artistas e intelectuais não vamos mais ficar de braços cruzados.
Vamos nos concentrar em frente ao Teatro Alberto Maranhão nesta quinta feira às 13h. E vamos dar o nosso chega. Caracterize-se e vamos dizer aos nossos governantes que com Artistas não se brinca
.artistas e intelectuais não vamos mais ficar de braços cruzados.Vamos nos concentrar em frente ao Teatro Alberto Maranhão nesta quinta feira às 13h. E vamos dar o nosso chega. Caracterize-se e vamos dizer aos nossos governantes que com Artistas não se brinca.

artistas e intelectuais não vamos mais ficar de braços cruzados.Vamos nos concentrar em frente ao Teatro Alberto Maranhão nesta quinta feira às 13h. E vamos dar o nosso chega. Caracterize-se e vamos dizer aos nossos governantes que com Artistas não se brinca.

14 de mai de 2015

Vai ser arretado!!!!


1 de abr de 2015

Por que 1º de abril é o dia da mentira?


A brincadeira surgiu na França, no reinado de Carlos IX (1560-1574). Desde o começo do século XVI, o ano- novo era comemorado em 25 de março, com a chegada da primavera. As festas, que incluíam troca de presentes e animados bailes noite adentro, duravam uma semana, terminando em 1º de abril. Em 1562, porém, o papa Gregório XIII (1502-1585) instituiu um novo calendário para todo o mundo cristão - o chamado calendário gregoriano - em que o ano-novo caía em 1º de janeiro. O rei francês só seguiu o decreto papal dois anos depois, em 1564, e, mesmo assim, os franceses que resistiram à mudança, ou a ignoraram ou a esqueceram, mantiveram a comemoração na antiga data. Alguns gozadores começaram a ridicularizar esse apego enviando aos conservadores adeptos do calendário anterior - apelidados de "bobos de abril" - presentes estranhos e convites para festas inexistentes. Com o tempo, a galhofa firmou-se em todo o país, de onde, cerca de 200 anos depois, migrou para a Inglaterra e daí para o mundo.


25 de mar de 2015

"Cantiga de Cangaceiro" - Mariene de Castro

A música do Cangaço